domingo, 1 de junho de 2014

ACREDITO NUMA EUROPA DE NAÇÕES LIVRES

A líder do partido de extrema-direita francês Frente Nacional, Marine Le Pen, disse hoje que quer destruir a União Europeia (UE), mas ressalvou não querer destruir a Europa

"O que eu quero é destruir a União Europeia, que não é a Europa.
Acredito numa Europa de nações. Acredito na Airbus e Ariane, numa Europa de cooperação, mas não quero esta União Soviética Europeia", disse Le Pen numa entrevista à revista alemã "Der Spiegel".
 A líder do partido de extrema-direita francês também rejeitou a ideia de que a UE é um protejo de paz, e disse que a Europa é hoje uma representação da guerra económica.
 "A Europa é a guerra. A guerra económica, um aumento das hostilidades entre os países. Os alemães são insultados e acusados ed crueldades, os gregos são acusados de gastadores e os franceses de vagos", acrescentou.
 De acordo com Le Pen, atualmente, a chanceler alemã, Angela Merkel, "não pode ir a qualquer lugar sem ser protegida por centenas de polícias", o que diz "não ter nada a ver com a fraternidade".
 Le Pen disse também que um euro forte, como quer a Alemanha, arruina a economia francesa, mas ressalvou que isso não implica um ataque a Merkel.
 "Quando ouço ataques à Alemanha digo: não podem culpar a Sra. Merkel por defender os seus interesses. Não posso criticar Merkel por defender um euro forte.
As críticas que faço é aos nossos políticos que não defendem os nossos interesses. Um euro forte arruína a nossa economia", disse Le Pen.
 A Frente Nacional foi o maior partido nas eleições europeias em França, com 25% dos votos.
Diário Digital/Lusa